ENTENDENDO POR QUE OS ANALGÉSICOS CAUSAM TANTA DEPENDÊNCIA

Familiares protestam contra analgésicos que matam. Peritos em reabilitação dizem que a dependência mais difícil de superar é a de analgésicos fortes como o OxyContin. Crédito fotográfico: OxyABUSEKills.com
Familiares protestam contra analgésicos que matam. Peritos em reabilitação dizem que a dependência mais difícil de superar é a de analgésicos fortes como o OxyContin.

Crédito fotográfico: OxyABUSEKills.com

Os analgésicos opioides produzem uma euforia de curta duração, mas também são viciantes.

O uso de analgésicos a longo prazo pode levar à dependência física. O corpo se adapta à presença da substância e se alguém para de tomar a droga repentinamente, ocorrem sintomas de abstinência. Ou o corpo desenvolve uma tolerância à droga, significando que para alcançar os mesmos efeitos têm de ser tomadas doses maiores.

Como todas as drogas, os analgésicos simplesmente mascaram as dores para as quais são recomendados. Eles não “curam” nada. Alguém que está tentando acalmar a dor pode acabar tomando doses cada vez mais altas e só depois descobrir que já não consegue mais passar o dia sem a droga.

Os sintomas de abstinência podem incluir: inquietação, dores nos músculos e ossos, insônia, diarreia, vômitos, sensações de frio interior, arrepios e movimentos involuntários das pernas.

Um dos sérios riscos dos opioides é o enfraquecimento respiratório — doses altas podem enfraquecer a respiração a ponto de parar e o usuário morrer.

“Sou dependente químico da medicação prescrita para a dor. A primeira vez que tomei analgésicos prescritos foi há alguns anos, quando meu médico os receitou para tratamento da dor pós-operatória de uma cirurgia da coluna... Durante muitos anos tenho tentado acabar com a minha dependência de comprimidos para dor e, na tentativa de conseguir isso, me internei duas vezes.

“Recentemente concordei com meu médico quanto aos próximos passos.”

— Extraído da declaração ao vivo do radialista Rush Limbaugh, em 10 de outubro de 2003, sexta-feira, de acordo com a sua divulgadora, a Rádio Premiere.