ESTATÍSTICAS INTERNACIONAIS

Todos os dias nos EUA, 2.500 jovens (dos 12 aos 17 anos) usam indevidamente um analgésico prescrito pela primeira vez.

O abuso de drogas prescritas, apesar de mais frequente nos EUA, é um problema em muitas áreas ao redor do mundo inclusive na Europa, África do Sul e Sul da Ásia. Só nos EUA, mais de 15 milhões de pessoas usam drogas prescritas indevidamente, mais do que o número somado de quem declarou usar cocaína, alucinógenos, inalantes e heroína.

No Brasil, o uso indevido de medicamentos e processos voluntários de cura colocaram o país entre os índices mais alarmantes de morte por intoxicação. Em 2003, cerca de 30% das intoxicações foram causadas por medicamentos.

Uma pesquisa de 2007 nos EUA revelou que 3,3% dos estudantes dos 12 aos 17 anos e 6% dos 17 aos 25 anos tinham usado drogas prescritas indevidamente no mês anterior.

A maior porcentagem de mortes por overdose vem do uso indevido de drogas prescritas. Das 22.400 mortes por overdose nos EUA em 2005, os analgésicos de opioides foram a droga mais comumente encontrada, sendo responsável por 38,2% dessas mortes.

Em 2005 nos EUA, 4,4 milhões de adolescentes (idades entre 12 e 17 anos) admitiram tomar analgésicos prescritos e 2,3 milhões tomaram algum estimulante prescrito do tipo da Ritalina. 2,2 milhões fizeram uso indevido de drogas “de venda livre” como xarope para a tosse. A idade média de usuários que usam pela primeira vez é de 13 a 14 anos.

CAUSA DE MORTES

Drogas
Prescritas
Drogas Ilícitas
Combinadas:
39%
45% (Anfetamina
+ Heroína
+ Metanfetamina
+ Cocaína)

Os calmantes, opioides e antidepressivos são responsáveis por mais mortes de overdose (45%) do que a cocaína, heroína, metanfetamina e anfetaminas juntos (39%). Nos Estados Unidos, a maior parte das mortes costumava acontecer em bairros afro-americanos de cidades do interior, mas foram superadas agora pelas comunidades rurais brancas. A mesma tendência pode ser vista nas estatísticas de hospitalização por abuso de substâncias e hospitalização de emergência por overdoses. Em 2005, das 1,4 milhões de entradas em prontos-socorros relacionadas a drogas, 598.542 foram associadas ao uso indevido de drogas, sozinhas ou misturadas com outras.

Por pesquisa, quase 50% dos adolescentes acreditam que drogas de prescrição são muito mais seguras do que drogas ilícitas — 60% a 70% dizem que as farmácias são a sua fonte de drogas.

Segundo o Centro Nacional de Dependência e Uso Indevido de Substâncias da Universidade de Columbia, adolescentes que usam drogas prescritas indevidamente são duas vezes mais propensos a beber álcool, cinco vezes mais propensos a fumar maconha e de 12 a 20 vezes mais propensos a usar drogas ilícitas como heroína, ecstasy e cocaína do que os adolescentes que não usam drogas prescritas indevidamente.

Em 2007, a Agência Antidrogas Americana (DEA) descobriu que o uso indevido do analgésico Fentanil matou mais de 1.000 pessoas naquele ano nos EUA. Este é 30 a 50 vezes mais potente que a heroína.

“Eu percebi que estava usando mais Alprazolam regularmente. Levei um tempo para abandoná-lo. Sem saber que tinha me tornado uma dependente química, tive os sintomas da abstinência. Durante quatro dias e quatro noites fiquei de cama. Não dormia nem comia. Vomitava. Tinha alucinações. Por volta do terceiro dia sem Alprazolam comecei a ficar descoordenada e desequilibrada e tropeçava nas coisas. Por volta do quarto dia, quando comecei a ter contrações, fiquei realmente preocupada.” — Patrícia