INALANTES

“De fato, me peguei falando com o que chamo de ‘amiguinhos de gás’ (as alucinações). Um dia estava cheirando e pensei que meu amigo tinha morrido porque me veio a alucinação dele. Eu cheirava não só para ter visões, mas pela companhia desses ‘amigos’ imaginários que viriam a mim quando eu começasse a cheirar. Estive lutando contra essa dependência por uns 7 meses.”   Erik

“Por três dias um amigo me deu cola gratuitamente. No quarto dia me pediu dinheiro. Aí já tinha ficado dependente e tive que dar dinheiro para ele para conseguir um tubo de cola. Eu precisava de vários tubos de cola por dia.”  Marty

“Em catorze anos e meio, passei de cheirar cola e cheirar gás a tomar chás de cogumelos mágicos... Então, eu comecei a fumar maconha. Gastava meu dinheiro em toda a maconha que podia conseguir. Depois de já ter idade para ir para a balada, comecei a usar anfetaminas e ecstasy.

“Comecei a sair com pessoas que usavam heroína, e logo eu estava usando heroína mais e mais até ficar dependente. Não fazia ideia do dano que me causaria mais adiante... Que estaria cumprindo uma sentença de prisão após outra, roubando as casas das pessoas, roubando da minha família. Toda a dor e sofrimento que causei foram piores que roubar os bens materiais deles.”Jamie

“Jason esteve na casa de um amigo cheirando cola ou fluido de isqueiro, talvez ambos. No caminho de volta para a escola, Jason continuava a apagar. Finalmente, ele caiu e nunca mais se levantou. Quando pudemos levá-lo ao hospital, já era tarde demais.” Cathy, mãe

“Amanhã é o sexto aniversário da morte do nosso filho Justin. Ele tinha 16 anos. Ele morreu por inalar spray aromatizador, um ato de abuso de inalantes. Sua morte insensata abalou o mundo de todos que o conheciam. Justin era um ótimo estudante que amava a vida e a vivia com entusiasmo. Ele foi uma fonte de inspiração para muitos. Sempre serei assombrada pela pergunta: se Justin estivesse ainda hoje com a gente, ele saberia dos riscos que corria?” Jackie, mãe