COMO O USO DE RITALINA COMEÇA



A princípio parece muito simples. Um estudante fica um pouco atrasado nos estudos. Tem uma prova e precisa se preparar. Vai ter que ficar acordado até tarde para conseguir uma boa nota. O café o deixa agitado, mas muitos dos seus amigos usam estes comprimidos para obter a energia extra de que precisam. Por que não? Alguns dólares; um comprimido; uma noite inteira de estudo; uma sensação de “concentração”.

Pode ser aí que começa, mas frequentemente não é aí onde acaba.

Alguns estudantes trituram a Ritalina e a cheiram como se fosse cocaína para uma absorção mais rápida. “Isso te deixa acordado por horas”, disse um estudante.

E assim como a cocaína ou qualquer outro estimulante, a sensação agradável de “estar de alto astral” é inevitavelmente seguida por um “bode”, um sentimento de fadiga, depressão e um estado de alerta reduzido. Um estudante dependente de Adderall, outro estimulante usado amplamente nas universidades, contou que a sensação de “superlucidez” virava um estado de estar “arrebentado e exausto” no dia seguinte. Como um usuário disse: “Depois de usar eu normalmente entro num tipo de estado de coma.”

E é claro, o usuário logo descobre que esta sensação de estar “esgotado” pode ser aliviada com a “ajuda” de mais um comprimido que lhe dá energia novamente. E assim vai.

Depois disso ele pode tomar doses maiores ou cheirar para ter mais efeito. A tolerância aumenta e então a pessoa tem que tomar mais. Nestas doses mais elevadas, a Ritalina pode levar a convulsões, dores de cabeça e alucinações. Esta substância potente, tipo anfetamina, pode até levar à morte, como nos muitos casos em que crianças morreram de ataque cardíaco causado pelos danos ligados à droga.

“Provei a Ritalina pela primeira vez quando estava na 7ª série. Recebi a prescrição de Ritalina porque pensavam que eu tinha um pouco de TDAH [Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade]. Eu fingia ter TDAH para ter uma desculpa por não estar indo bem na escola, na verdade, eu só era preguiçoso. Nunca me dei conta de que estava ficando dependente, e então eu já não era diferente de nenhum outro usuário de drogas.

“Tomei cerca de 40 mg num dia e sentia que podia alcançar o meu máximo. Eu ficava acordado por dias seguidos, até o ponto em que tive um surto psicótico grave. Foi terrível! Tudo parecia estar derretendo e se transformando em outra coisa e eu estava aterrorizada.” — André