SONHO OU PESADELO?

  • Segundo a Pesquisa Nacional sobre Drogas e Saúde de 2007 (EUA), cerca de 12,4 milhões de americanos com idade de 12 anos ou mais usaram ecstasy pelo menos uma vez na vida, representando 5% da população dos Estados Unidos nessa faixa etária.
  • Segundo a Folha de S. Paulo, até setembro de 2007 foram apreendidos 157 mil comprimidos de ecstasy no Brasil. Dados da Polícia Federal mostraram que a apreensão cresceu 725% quando comparada à quantidade apreendida em 2006.
  • 92% das pessoas que começaram a usar ecstasy passaram mais tarde a tomar outras drogas, incluindo maconha, anfetaminas, cocaína e heroína.

Falsa Pílula do Amor
Desmascarada

O ecstasy é frequentemente chamado de “pílula do amor” porque aumenta as percepções da cor e do som e supostamente amplifica as sensações quando uma pessoa toca ou acaricia alguém, particularmente durante o sexo.

Mas o ecstasy frequentemente contém alucinógenos, drogas que atuam sobre a mente e fazem com que as pessoas vejam ou sintam coisas que não estão ali de verdade. Os alucinógenos podem levar a pessoa a reviver um momento triste ou apavorante do passado, onde ficará “presa” sem perceber.

A imagem do ecstasy como “pílula do amor” é uma das muitas mentiras espalhadas sobre a droga.

O ecstasy é emocionalmente prejudicial e os usuários sofrem frequentemente de depressão, confusão, ansiedade severa, paranoia1, comportamentos psicóticos e outros problemas psicológicos.

“As raves são legais desde que você não tome ecstasy. Mas assim que começa, você pensa que as pessoas que te avisam para parar são idiotas. Você começa a crer que descobriu algo genial e que os outros não devem tentar te dizer o contrário. Quando você começa a gostar do ecstasy, é tarde demais, você já afundou.” — Pat

  1. 1. paranoia: suspeita, desconfiança ou medo de outras pessoas.