UMA LADEIRA MUITO ESCORREGADIA



Algumas crianças ainda muito novas já fumam cigarros e bebem álcool. Ao terminarem o colegial, cerca de 40% de todos os jovens terão experimentado maconha. Mais tarde alguns partem para substâncias que causam mais dependência.

Nós não podemos assumir que todas as crianças que fumam maconha hoje serão dependentes de heroína amanhã. Mas o perigo existe. E estudos de longo prazo com estudantes do ensino fundamental mostram que pouquíssimos jovens usam outras drogas sem terem usado maconha antes. Uma vez que a pessoa não consegue mais sentir a mesma “euforia” inicial, começa a aumentar o uso da droga ou procurar algo mais forte.

Vamos encarar a realidade




As crianças estão tendo cada vez mais contato com drogas ilegais.

Em 2007, a Pesquisa Nacional sobre o Uso de Drogas e Saúde descobriu que mais de 9,5% dos jovens com idade entre 12 e 17 anos eram usuários de drogas ilícitas nos EUA. Em 2008, o Centro Nacional de Dependência e Uso de Substâncias da Universidade de Columbia reportou que o uso diário de maconha entre colegiais tinha duplicado, e que o uso de cocaína e heroína também estava aumentando.

De acordo com o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, em 2008, cerca de 16 milhões de pessoas no mundo inteiro utilizavam opioides — ópio, morfina, heroína e opioides sintéticos.

A NOVA CARA DA HEROÍNA

A imagem de um jovem dependente de heroína caído num beco escuro e imundo é obsoleta. Hoje, o dependente químico jovem pode ter 12 anos, jogar vídeo-games e curtir a música da sua geração. Pode aparentar inteligência, ser estiloso e não exibir nenhum dos traços comuns de uso de heroína, como marcas de agulha nos braços.

Por estar disponível em várias formas mais acessíveis e mais fáceis de consumir, a heroína de hoje em dia é mais tentadora do que nunca. Entre 1995 e 2002, o número de adolescentes na América entre os 12 e 17 anos que tinha usado heroína alguma vez em suas vidas aumentou 300%.

Um jovem que pense duas vezes em enfiar uma agulha no braço pode facilmente usar a mesma droga fumando ou cheirando. Mas isto é falsamente tranquilizador e pode dar à pessoa a ideia de que o risco é menor. A verdade é que a heroína em todas as suas formas é perigosa e viciante.